Você conhece Paulo Freire?

Paulo Freire en centroderecursosnormal1

Paulo Freire foi/é um pernambucano que escreveu e falou muito de educação. Não só falou e escreveu como também fez pela educação. Ele pensou a educação de uma forma que vai contra esse sistema industrial de educação. Mas acontece que poucas pessoas conhecem Freire e suas obras. E a gente sabe o quanto falam da importância da educação e o quanto que não fazem pela importância da educação.

Então… nas minhas pesquisas e andanças pela rede encontrei um conjunto de vídeos sobre a obra Pedagogia da Autonomia do Paulo Freire. Para mim é como se fosse um curso bem detalhado sobre sua obra, com roteiro, direção e apresentação do prof. André Azevedo da Fonseca.

O projeto Pedagogia da Autonomia, de Paulo Freire, consiste na produção de um conjunto de 30 vídeos a serem veiculados semanalmente, de forma aberta e gratuita, no YouTube. O objetivo é apresentar os conceitos fundamentais do livro “Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa”, de Paulo Freire, a partir de uma linguagem acessível a estudantes, professores e a todas as pessoas interessadas em educação.
Projeto realizado com financiamento coletivo através do Catarse https://www.catarse.me/pt/paulofreire

Vamos aproveitar! Pega o livro, leia o livro e vai assistindo ao projeto. Temos muito a aprender com as ideias do Freire. Não vou falar muito dele não pra vocês buscarem conhecê-lo. Não é só a galera que é da área da Educação que deveria conhecer o cara. Mas todos que sabem da importância de se falar/escrever/refletir/debater sobre educação!

Ha, aqui o Facebook do projeto.

Falouuu! 🙂

Aprendi com o Transformar 2015…

Foto: Luciana Serra
Foto: Luciana Serra

Olá! Na semana passada participei pela manhã do Transformar 2015 através do Canal Futura bem aqui na minha casa no DF. A educação não tem mesmo fronteiras e buscar estar aprendendo tanto na Universidade e fora dela é de suma importância. Valorizo muito minha formação na Universidade, mas acredito que para eu ter uma formação mais completa preciso buscar aprender em outros espaços. E se tem um lugar que eu sempre vou aqui na rede é no Porvir e lá descobri o Transformar.

Mas, o que é/foi o Transformar?

Um evento sobre inovação na educação que traz experiências que estão transformando a educação do país e do mundo.

Promovido por Fundação Lemann, Inspirare/Porvir e Instituto Península, o evento busca promover o debate sobre as últimas tendências em educação, unindo especialistas nacionais e internacionais. Nesta edição, os participantes vão viver um dia inteiro de experiências novas e surpreendentes, enquanto debatem sobre metodologias, processos e infraestrutura necessários para implementar inovações educacionais.

Essa descrição do que é o evento está no futuro, mas o evento já aconteceu e eu venho aqui compartilhar o que eu aprendi com ele. O Transformar falou sobre Currículo e Interdisciplinaridade, Competências para a vida no século 21, Ensino Híbrido, dentre outros temas que estão no mundo da educação atual.

Transformar2015_25
Foto: Luciana Serra

As primeiras frases que eu anotei que apareceram no evento foram:

  • Fazer a diferença na Educação.
  • Como ter uma Educação que gere mais sentido?
  • Ensino Híbrido, movimento Maker, conectividade, novas formas de avaliação.
Transformar2015_32
Foto: Luciana Serra

Assisti a palestra da Marjo Kyllönen, Gestora Educacional na Divisão de Educação Geral de Helsinki (olhem aí no Porvir), Finlândia e as frases que eu anotei de seu discurso foram:

  • O papel da escola na sociedade é possibilitar oportunidades iguais para todos. Eles sabiam que para a Finlândia ter sucesso eles tinham que promover isso.
  • Quais as competências para o futuro? (Vamos pensar?)
  • Há uma grande lacuna entre escola e a vida real.
  • A configuração da escola é quase a mesma e também a repetição da forma tradicional de ensinar e aprender.
  • Escola para quê? Competências do futuro: 1) Colaboração 2) Raciocínio Lógico 3) Criatividade
  • Será que a aprendizagem pode ser divertida e inspiradora?
  • Na escola do futuro o foco é uma aprendizagem que tenha significado. Fortalecendo também as habilidades sociais, como a colaboração.
  • A aprendizagem tem que ser vinculada com a vida real.
  • Na Finlândia a avaliação = Processo em si, não apenas no fim.
  • EDUCAÇÃO BASEADA EM FENÔMENOS: Entidades complexas, em vez de porções isoladas de conhecimento

11143713_961524523868272_1856418176293261301_n

Essa forma de pensar a Educação me chama muito a atenção. E é muito bom vermos que funciona. Sabemos que existem escolas e escolas, que cada uma funciona de um jeito, mas que na educação temos sempre que nos construir e reconstruir, pois ela está em movimento.

11947609_959919297362128_6012060397425253128_n

Esses foram alguns dos aprendizados com o Transformar 2015. No site do Transformar e do Porvir aparecem muito mais histórias e experiências de educações inovadoras (algumas informações que estão aqui busquei lá). Cheguem lá!

Seu professor não tem Didática? Uma aula por semana

frx0mt

Estou cursando a disciplina de Didática e temos ampliado os entendimentos que a circunda. Portanto, nessa semana a aula me ensinou mais sobre e estou compartilhando aqui.

Nós alunos somos parte do processo educativo e muitas vezes somos/temos de ser protagonistas desse processo. Portanto, avaliar o trabalho do professor é importante para que possamos colocar nossos pontos em relação à esse processo. Muitas vezes criticamos os professores que não correspondem aos resultados que buscamos. Até mesmo pelos problemas do sistema de educação que transforma a escola e a sala de aula em um processo não muito agradável.

Quando um professor não consegue nos ensinar da forma que queremos ou imaginamos certamente ficamos insatisfeitos e nos questionamos do motivo pelo qual ele não consegue corresponder as nossas expectativas de ensino. Para nós muitas vezes o professor não tem a Didática. Foi assim para mim durante muito tempo até começar a cursar a disciplina e ler sobre. Que tal quebrar alguns conceitos que sempre tivemos do que seja a didática? Talvez o que seu professor não tenha seja outra coisa.

  • Como toda a educação, a didática já foi vista muitas vezes como a TÉCNICA de ensinar, FORMA de ensina e a disciplina muitas vezes é vista como um MANUAL para ser um bom professor. Bem, isso também faz parte mas ela vai muito além disso. Logo, a didática NÃO é INSTRUMENTAL e nem um conjunto de TÉCNICAS.
  • Seu objeto de estudo: ENSINO
  • Didática é PRÁXIS (teoria + prática) que acompanha o entendimento da ação pedagógica.
  • Didática é CRÍTICA.
  • Em um apanhado geral, pensando a partir de todos esses pontos a didática pensa os aspectos educativos como a prática docente, conteúdos, avaliação e as metodologias (práticas de ensino). E é nesse ponto que quero chegar. O como se ensina é uma parte da didática, são as metodologias, as práticas de ensino.
  • Para finalizar… “De fato, a Didática como área de estudo da pedagogia tem como objetivo nuclear o ensino em situação (PIMENTA, 2001), compreendido como prática educativa intencional, estruturada e dirigida a outros. Trata-se de um conhecimento pedagógico fundamental à ação do professor e que extrapola o caráter aplicado. Seu estudo abrange a problematização, o entendimento e a sistematização de questões relacionadas à docência, articulando objetivos, conteúdos, metodologias e avaliação do ensino à reflexão sobre a identidade profissional, a dimensão ética do trabalho do professor, os conhecimentos necessários à prática educativa, entre outras pautas. Dizemos, pois, que a Didática é teoria e prática do ensino, conjugando fins e meios, propósitos e ações, objetivos, conteúdo e forma.” (Freitas, I.M.S; Sales, J.O.C.B; Braga, M.M.S.C e França, M.S.L.M – Didática e Docência: aprendendo a profissão)

Espero que eu tenha conseguido de uma forma sintética e clara explicar melhor o que seja a didática. Claro que é mais complexo e é preciso estudá-la a fundo, até mesmo pelo fato de ter muita história por trás da mesma, como toda a educação, de fato. Se o seu professor não sabe ensinar, ou não consegue corresponder as suas expectativas, deve-se avaliar o que tem levado à isso, pois podem ser muitas coisas além mesmo do que ele entende sobre ensino.

A profissão de professor não é nada fácil, ainda mais em um país que não valoriza de verdade a educação.

Boa tarde!

Internet na Escola

11825091_105666929782738_6488611597842740047_n  11873700_117522075263890_7540504173141752544_n11855705_110895352593229_273835096341391886_n

Eu quase sempre (olha o paradoxo) passo horas na internet. As vezes vendo coisas que podem ser consideradas fúteis (como qualquer outro ser humano), mas muitas vezes pesquisando, procurando temas relacionados à Educação, principalmente em relação à engajamento e educação inovadora. A internet é uma ferramenta que revolucionou a forma de aprender e de passar conhecimentos, por meio da comunicação e barreiras que podem ser rompidas.

Apesar de nem sempre ela ser usada de maneira coerente por algumas pessoas, é uma ferramenta que também pode ser usada para revolucionar a forma de se ensinar nas escolas. Concordo que as escolas devem sim ter uma internet de qualidade. Estudei em escolas públicas a minha vida inteira e sei como alguns recursos são difíceis de chegar nas escolas devido à burocracia e muitas vezes quando chegam não são utilizados ou são utilizados somente na parte de gestão da escola. Ou seja os alunos não tem acesso. Devido ao problema de mal uso dessa ferramenta pelos alunos, mal uso que ao invés de melhorar os resultados do ensino-aprendizagem fazem piorar.

Acredito que para essa ferramenta ser mais utilizada em sala de aula, primeiro deve-se educar os alunos para seu uso, entender sobre o que é bacana e o que não é bacana de se fazer unindo ética, política e consciência, para que essa ferramenta possa ser usada de uso coerente e com bom senso pelos educandos.

Nessas minhas pesquisas de assuntos relacionados à Educação, encontrei o projeto Internet na Escola, uma mobilização em prol do acesso à uma internet de qualidade dentro das escolas. Você pode mandar um e-mail para a presidente Dilma para que as escolas recebam melhorias na internet, como objetivo 10 MEGA até 2016.

POR QUE A FALTA DE CONECTIVIDADE NAS ESCOLAS É UM PROBLEMA URGENTE?

Em um mundo cada vez mais conectado, é urgente que as escolas públicas brasileiras tenham acesso rápido à internet. O programa Banda Larga nas Escolas determina uma conexão de 2 MEGA, mas isso é muito pouco e muitas vezes não chega até as salas de aula ou aos laboratórios de informática.

Já há muitos conteúdos educativos incríveis e gratuitos disponíveis na internet. Mas, sem acesso à rede nas escolas, alunos e professores não conseguem acessar todo esse material.

Além de democratizar o conhecimento, a internet na escola pode ser o catalisador de uma educação de qualidade em grande escala no país. Com isso, todo mundo ganha: alunos, escolas e toda a sociedade.

A mobilização é uma realização do Instituto InspirareNossas cidadesInstituto de Tecnologia e Sociedade do Rio e Fundação Lemann.

Para curtir Internet na Escola! Participe do Engajamento, é muito importante, mesmo que nem todos resultados sejam alcançados o importante é tomarmos consciência de que nós podemos transformar e sermos protagonistas da nossa sociedade. Até mais!

Educação o problema e a solução (um fenômeno da natureza)

16660796639_fdcbcceec2_o

É engraçado quando observo ou participo de discussões sobre educação. Os discursos são alguns bem feitos, outros nem tanto. Mas que bom que se discute educação. Porem, o que acho mais engraçado e sei que educação é coisa séria (viu?) é quando observo e participo (não me excluo) de diversos discursos de educação como: “Isso é um problema de educação”, “a educação deve ser melhorada”, “vamos fazer algo pela educação” ou “a educação é a solução” “a educação que transforma”, “é fruto da educação”. São as falas mais simples, não precisamos ir muito longe.

Considero a importância de tais discursos,o engraçado é o fato de que nós não gostamos de fato de falar sobre educação, muita coisa que falamos está presente apenas no discurso, mas quando trata-se de ler sobre educação, ir em palestras sobre educação, escrever sobre educação, são poucos os que fazem.

Que adianta se apenas falarmos de educação? Muitos são os profissionais de educação que são desvalorizados e buscam uma formação maior como mestrado e doutorado para se valorizar. E as vezes a mesma pessoa que desvaloriza o profissional, é a mesma pessoa que fala em seu discurso da importância da Educação. Será que não fazemos educação? No sentido de conhecer, pesquisar, atuar acima desse conceito. Pois estamos o tempo todo dentro dele.

A gente acha que educação é uma coisa só, mas não é. Educação é uma construção que agrega vários elementos e que está em um tempo que é indefinido. A educação não só pode, como está nos filmes que assistimos, no ônibus que utilizamos todo dia, na casa da vó, na casa da mãe, na escola, na padaria, no teatro e no museu. Educação não só é como está. Éduc(ação). Pode ser um verbo de ação, de estado mas também um fenômeno da natureza.

Boa tarde!

Uma aula por semana – Teatro PODE!

Esse post da categoria “Uma aula por semana” é da semana passada, está atrasado, mas vamos lá!

Eu amo Teatro, assistir peças me leva para outro universo. Cada vez que saio de um espetáculo eu acho que estou em outro mundo rsrs. Nunca tive muitas aulas de teatro na escola, apenas no 2º e 3º ano do Ensino Médio, o que me aproximou um tiquinho do mundo do atuar, escrever e dirigir uma peça, tudo graça a uma linda professora que estou com saudades, Ivonei Calado. Ela faz um lindo trabalho com todas as turmas da manhã do Centro de Ensino Médio 09 de Ceilândia, aproximando os alunos cada vez mais desse lindo universo.

Quando eu comecei a me aproximar do teatro, por causa dessa professora maravilhosa, me deu até vontade de fazer Artes Cênicas, decorei o monólogo, me inscrevi no vestibular, mas, deu um rolo ai e não fui fazer a prova específica, acabou que desisti. 😦 Porém, como as coisas melhoram da maneira que a gente menos espera (mantra esse que aprendi com meu namorado rsrs obrigada Luan 🙂 ). E não é que apareceu a oportunidade de fazer um curso de teatro na universidade? Duas vezes por semana, bem tranquilo e vamos aprendendo… essa semana continuamos os ensaios da peça que iremos apresentar.

´É o curso de teatro da PODE!, com a Clarissa e o Matheus. Estou terminando o iniciante I, foram muitos aprendizados. O teatro realmente muda muita coisa na gente, sobretudo a timidez e a autoestima, além de que você passa a olhar as coisas de uma maneira diferente e para de se importar também com o que os outros vão pensar das coisas engraçadas que você faz. Eu acho que o teatro deve fazer parte da educação das crianças, dos jovens e dos adultos, é uma arte que com ela se aprende muito e com certeza deveria ser mais difundida, para que todos possam ter acesso à essa cultura como todas as outras.

Exercício da máquina humana - Imagem: Teatro e Produções PODE!
Exercício da máquina humana – Imagem: Teatro e Produções PODE!

A Escola PODE! de Teatro oferece seus cursos  seguindo os princípios de que o teatro, por ser uma arte essencialmente agregadora, trabalha o autoconhecimento corporal e vocal; questões de timidez dentro de um ambiente acolhedor e profissional; permite o trabalho em grupo e as diversas formas de se portar em tal circunstância; a oportunidade de socialização; além do fator maior que á a diversão, pois que todas essas questões e outras são desenvolvidas de forma não invasiva através do contexto lúdico do teatro. Por serem oficinas voltadas para não atores, as atividades terão sempre o foco na promoção de qualidade de vida, permitindo que tudo o que for feito durante as oficinas possa ter efeitos positivos na vida cotidiana de cada um. Teatro e Produções PODE!

Mês que vem terá o 2º Festival PODE! de Teatro. Segue abaixo o cartaz:

2_festival_pode_de_teatro_para_web_0

Como o Festival é independente está havendo uma campanha, para ajudar na realização do espetáculo. Se você quiser participar é só clicar aqui. Além de ajudar, você recebe algumas recompensas. Bora fazer parte desse movimento super bacana?

Para conhecer mais a PODE!

SITE – FACEBOOK – YOUTUBE – INSTAGRAM

Conheça o livro “Volta ao mundo em 13 escolas”

Nosso propósito: inspirar pessoas em busca de novos modelos de educação, a partir de uma jornada de conhecimento por iniciativas transformadoras no mundo. Coletivo Educ-ação

1413647425_8086d2d3c2_o
Môsieur J. [version 9.1]
Volta ao mundo em 13 escolas é um livro do coletivo Educ-ação formado por André Gravatá, Camila Piza, Carla Mayumi e Eduardo Shimahara, que conta experiências de escolas de vários lugares do mundo. Mas o massa mesmo do livro é que ele relata experiências de escolas não muito comuns, mas que estão com os seus ideais bem próximas da realidade de uma educação contemporânea.

Eu achei super interessante a proposta de conhecer práticas inovadoras e mais criativas de educação. Estudo Pedagogia, um curso visto com bastante estereótipo, que tento quebrar sempre que falo para as pessoas sobre estudá-lo. Porém eu sinto muita falta de estudar essas práticas inovadoras de educação, que buscam a autonomia do aluno e também liberdade para o professor, de criar espaços e caminhos diferentes para ensinar. Eu adoraria saber que as pessoas se interessam por educação e por uma Éduc-ação, que seja e que faça. E acredito que esse livro, que eu ainda não pude destrinchar totalmente, possa inspirar e motivar os futuros educadores à fazerem uma educação inovadora de verdade, não apenas pelo salário, mas por reconhecerem sua importância e capacidade de fazerem o melhor, entendendo as dificuldades, mas não colocando-as em primeiro lugar.

Não quero falar mais sobre o livro para que vocês fiquem curiosos e busquem saber que escolas são essas, algumas no Brasil, uma na Espanha, Argentina, Indonésia, África do Sul e …

Como eu não preciso falar muito, fiquem com um TEDx Talks sobre o livro.

Cadê o livro mesmo? Tá aqui ó e é claro não deixem de curtirem a página do Coletivo no Facebook. Tchauzin!

Uma aula por semana – Taylorismo, educação, motivação, práticas

A Categoria “Uma aula por semana” surge da minha vontade de compartilhar com vocês as aulas interessantes que eu tenho na universidade, expondo o tema que foi discutido, como decorreu a discussão e como resultou. E quando eu não tiver aula? Bem, as férias estão chegando, então a ideia é de nas férias fazer o “Uma aula por semana (Férias)”, que vai ser uma abordagem um pouco diferente, ao invés das aulas que tenho na universidade, irei compartilhar com você aprendizados do dia-a-dia. Afinal, a educação vai muito além dos muros da universidade e da escola. A Educação é linda por isso, nela temos o mundo e fazemos a troca de saberes.

Vamos à nossa primeira aula:

 Format:  Fotopositiv  Dato / Date:  Ukjent  Fotograf / Photographer:  Navn på fotograf   Sted / Place:  Ukjent  Eier / Owner Institution:  Trondheim byarkiv, The Municipal Archives of Trondheim  Arkivreferanse / Archive reference:  Tor.H43.B75.F5204
Imagem: Ukjent

O tema da aula foi Taylorismo. Afinal, o que é Taylorismo?

“Sistema de organização do trabalho, especialmente industrial, baseado na separação das funções de concepção e planejamento das funções de execução, na fragmentação e na especialização das tarefas, no controle de tempos e movimentos e na remuneração por desempenho.” Antonio David Cattani

Por quem foi pensado?

F. W. Taylor (1856-1915) , engenheiro norte-americano. E de acordo com ele “os trabalhadores não são pagos para pensar, mas para executar”.

Sendo esse Taylorismo, classificado como um modelo científico. E, “organizado pelo taylorismo, o trabalho transfigurou-se em atividade: fragmentada, repetitiva, monótona e desprovida de sentido. Perdendo sua autonomia, sua capacidade de usar a criatividade, o trabalhador transformou-se em operário-massa, alienado do conteúdo do seu esforço produtivo.” Antonio David Cattani

Bem, como podemos ver, o Taylorismo é um pensamento da era industrial, de produção do sistema capitalista. Mas o que foi discutido entre os alunos (Pedagogia, Administração, Letras, dentre outros cursos) e a professora  foi a relação entre o Taylorismo e a Educação.

Foi discutido que:

O sistema escolar tradicional tem características desse sistema industrial (afinal de contas foi a partir dali que ela se organizou dessa maneira). E quais características são essas?

Imagem: Christopher Sessums
Imagem: Christopher Sessums

– Alunos enfileirados.

– Uniformizados.

– O Tempo é único para todos.

– Alienação.

– Transformação dos alunos em máquinas repetitivas, assim como os operários nas fábricas.

Além disso, a discussão também foi para o lado de como algumas práticas educativas poderiam melhorar, já que para alguns alunos esse modelo foi pensado como negativo para a educação. No decorrer da aula os alunos falaram sobre o que transformariam na educação, como retirada de conteúdos fragmentados ou talvez unir conteúdos que conversem, havendo dois professores em sala para discutir tal assunto, um de cada conteúdo, como Biologia e Química. Em relação à isso, ainda discutiu-se as dificuldades de retirar a separação de conteúdos e colocar os dois professores em sala.

Também, foi criticada a formação dos professoras, tanto da Pedagogia, quanto das Licenciaturas. Que muitas ideias ficam na teoria, mas não vão para a prática e a necessidade de existir uma escola de aplicação, na nossa universidade, para que os professores tivessem uma melhor formação na prática, podendo assim, ver as práticas educativas e analisar como o ensino e aprendizagem pode melhorar.

Outra questão debatida foi a motivação do profissional no modelo do Taylorismo e no modelo atual, sendo que alguns alunos e a professora concordaram que algumas características desse modelo, ainda estão no mundo do trabalho atual. Que a repetição desestimula o trabalhador, como o professor. E na minha opinião é a falta de motivação que faz com que muitas vezes o professor não seja um bom profissional, as vezes ele não queria realizar o trabalho dele àquela maneira, mas de alguma forma tem que seguir um modelo, então ele se sente sem motivação, problema que afeta sua saúde e estilo de vida.

O famoso vídeo do Pink Floyd, foi citado como exemplo desse modelo industrial e a educação.